quinta-feira, 9 de abril de 2015

P.162 - O Sável e Trabalheira

Com o Bando não há imprevistos, mas podem acontecer como a seu tempo ficará registado em acta.
O pessoal a tempo e horas no Campo 24 de Agosto...
Conforme o previsto...
A partida foi às 12,15 h em ponto. O imprevisto foi o Cancela que se esqueceu.... de avisar que afinal ia ter ao ponto de encontro final, na Aboinha, com o compadre Jaquim Peixoto. O que motivou sustos e desesperos, mas prontos, já passou.
O que passou pelo ponto de encontro foi o transporte dos ditos compadres, que não acreditaram no GPS e perderam-se pela marginal. Nada,não de nadar mas o outro nada que o secretário general resolveu eficazmente conforme é seu hábito, mesmo que o General-Mor-Tesoureiro J.Peixoto tenha tentado boicotar. Mas prontos, já passou.Imprevistos.
No ponto de encontro, ou seja na Casa dos Vigários da Aboinha todos concentrados juntos e juntos concentrados na operação Savel III.
Ao largo do Douro, uma das frotas pesqueiras Savélcola que o Primeiro-ministro Cavaco (agora Presidente de alguns Portugueses) não conseguiu destruir nos anos 90. Ou será que é uma nova frota das oportunidades novas ?
Para o caso não interessa nada e a verdade verdadinha é que ao fim de quase dois meses de muitas preocupações, de idas ao Bolhão e ao Bom Sucesso, os Alosa alosa apareceram...

...fritos e a escaldar como bem acharam as Vigárias cozinheiras.
Acompanhados com dois panelões de arroz de ortos (ou será de hortos ?) e claro, boa salada de alface e cebola, divinamente condimentada.
 Ora aqui entrou mais um improviso. Alguns convidados não respeitaram nem as ordens de comando Bandalho nem dos Vigários pois ainda não estava em ordem a mesa nem os alosa alosa prontos para o assalto. Que era definitivamente às 13 horas. E não às 12,45 h, o que motivou protestos dos Vigários e do Comando Bandalho.
Ainda por cima faltava o convidado especial Romualdo que sabíamos iria chegar precisamente às 13 horas.
Foi lamentável este assalto fora de tempo que vai merecer assunto de reflexão. Para já vai para a Acta.
Na imagem, o Romualdo já estava presente mas as entradas tinham desaparecido. Ou há ordem e comem todos ou não come ninguém. Lamentável, prontos.
O Senhor Presidente confiante na boa organização, encontrava-se com o Secretário-General a olhar a natureza que, enquanto isso, estava linda . Nem a loirinha soube bem com tanto desassossego...



Imagens sem rei nem roque.
A Senhora Vigário a ver se tudo estava nos conformes.
O Romualdo guardando umas belezas que o compadre Jaquim Peixoto tem sempre o prazer de ofertar.
O Senhor Presidente finalmente impôs-se. Era o seu momento...
...do Bolo
Eram os finalmentes dos cafézes e do resto. O General-Mor-Tesoureiro Peixoto distribuía uma oferta do Alberto.
Eis o senhor Presidente a fazer alguma coisa de jeito. Partiu milimétricamente 20 bocados de bolo. Embora alguns mais milimetricamente do que outros. Ou terá sido menos milimetricamente ? As coisas dão sempre para os dois lados, dependendo do ângulo de visão, não é verdade ?
Para o Senhor Presidente que nada (agora tipo substantivo positivo interpretativo) lhe falte. Mas é d'homem provar o presente do Jaquim Peixoto, a tal aguardente belíssima do Monge Morto ou lá como se chama, que para o caso não interessa nada. É boa e prontos.
 O restante da dita já tinha dono, mas era um ver se te avias. O Peixoto General-Mor tratou de arrolhar bem o que sobrou. Lá tinha as suas razões como lá para o fundo da acta irão ler.
A Hora das contas. O Vasquinho das águas a sair da casca enquanto o Silva paga o seu, sob (ou será sobre, pois estão de cima) os olhares atentos do Presidente, do Súcio e do Cibrão.
 Uma última ao balcão com o Vigário sénior, camarada em Angola de 67.
As selfies finais: Súcio, Cibrão, Edu Campos, Silva Francisco, Zé Catió, Alberto, Moreira, Presidente, por trás o incógnito mas deve ser o 2 metros de barriga Narciso, Compadres Jaquim Peixoto e Cancela, General Peixoto, Quintino, Secretário General eu, Joaquim Neto; em baixo, Freire, Encarnação e Jaquim Silva. Romualdo, o único que ainda trabalha, já tinha saído. Um abraço para ele e o agradecimento pela companhia; Companhia de presença e não de tropa, que se entenda.
O Vigário filho e o Neto em funções
O Douro em fundo.

É a hora de deixar o local da operação
No transporte da rodoviária Gondomarense, o General-Mor-Tesoureiro trata de cobrar os bilhetes. 4 para bébés e 10 adultos de melhor idade. Mais 1 para penduras tipo Narciso. Os outros dignos Bandalhos seguiram pelos seus próprios meios.
 E lá fomos indo aos solavancos etílicos. O Narciso parece que está numa reunião do partido.
Porto à vista
 Chegada ao Campo 24 de Agosto onde o Tesoureiro trata de contas.


Enquanto isso uma loirinha vem mesmo a calhar. E uma morena também
Alguns ficaram pelo caminho, salvo seja, isto é, rumaram aos seus destinos. Sobraram uns tantos para umas águas e loirinhas com torrada bijou no Progresso. É a romagem tradicional.
E o Presidente feliz por estar no seu ambiente.
São as últimas discussões e pronto.
Imprevista foi a ausência do Tavares a quem já lhe tínhamos feito o funeral mas que afinal parece ter ido a banhos de mar na Foz Velha. O Presidente agora faz-lhe a folha.
Cumpriram-se mais duas tradições: O cumprimento à velha senhora e o jantar de frango de churrasco na Churrasqueira das Antas. Onde os Secretário-General e o General-Mar deram cabo do resto da aguardente velha do Monge Morto do compadre Jaquim Peixoto.
As despesas da operação serão divulgadas em devido tempo, mas que não se incluem na Acta ou Ata ou lá o que seja para evitar vistorias VIP.
Para alguns Bandalhos, até sábado. Já foi marcada a presença nos Melros

12 comentários:

  1. O seu a seu dono.
    O êxito desta OP é duplamente louvável, em virtude das inúmeras dificuldades surgidas no percurso, Só quem não faz um C, digo, chavelho, é que não se apercebe do imenso trabalho de bastidores, desenvolvido pelo staff, primorosamente orientado pelo nosso Secretário General.
    Parabéns Jorge Portojo, por tudo que conseguiste e muito obrigado pelo que de tão bom nos proporcionaste. Abraço

    ResponderEliminar
  2. Um reparo
    Aquela de algum pessoal se "achantrar" à mesa, antes da hora e da chegada dos camaradas, não lembra ao diabo. Nem parece comportamento do Bando. Será influência de outros convívios? Gostaria que este pequeno reparo, que não foi registado em acta, seja motivo de apreciação na próxima Assembleia.

    ResponderEliminar
  3. Por vezes há sempre uns improvisos.Tá passado,para a proxima vez ainda será melhor.Um bem haja.

    ResponderEliminar
  4. Por vezes há sempre uns improvisos.Tá passado,para a proxima vez ainda será melhor.Um bem haja.

    ResponderEliminar
  5. Correu tudo na perfeição,como já é habito.....Venha o próximo........Fico á espera........

    ResponderEliminar
  6. Na foto do grupo o incógnito a trás do Presidente não é o Narciso sou eu.
    Vasco Ferreira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós sabíamos, Vasquinho. Foi para reinar contigo...

      Eliminar
  7. Mais um trabalho com a qualidade "Jorge Portojo" e com todos os registos perfeitos, quer em letras quer em imagens e como sempre correu tudo às mil maravilhas. Conclusão: Nota 5, ou será nota 20, ou ainda nota 100? Mas a 100 por cento foi de certeza.

    ResponderEliminar
  8. Pois!...
    Que o pessoal do Bando tenha sempre presente a divisa: elas matar, não matam... e todos os pretextos são bons, não é?

    ResponderEliminar
  9. Pois!...
    Que o pessoal do Bando tenha sempre presente a divisa: elas matar, não matam... e todos os pretextos são bons, não é?

    ResponderEliminar
  10. Que o pessoal do Bando tenha sempre presente a divisa: elas matar, não matam... e é sempre bom pretexto, não é?

    ResponderEliminar
  11. Que o pessoal do Bando tenha sempre presente a divisa: elas matar, não matam... e é sempre bom pretexto, não é?

    ResponderEliminar