domingo, 14 de maio de 2017

P.210 - HOMENAGEM PÓSTUMA AO SECRETÁRIO GENERAL JORGE PORTOJO

Por iniciativa dos Camaradas Rui V Coelho e Luís Bateira, teve lugar no passado dia 13 de Maio, no Restaurante O Choupal dos Melros, base da Tabanca dos Melros, uma justa e sentida homenagem ao Secretário General do Bando do Café Progresso, JORGE DA SILVA TEIXEIRA (PORTOJO), recentemente falecido, a que se associou todo o Bando.

O Jorge da Silva Teixeira, nasceu em 08-12-1945 e faleceu em 06-04-2017.
Para além de uma vida multifacetada, combatente na Guiné, membro fundador do Bando no qual exercia as funções de Secretário General, com total empenho e dedicação, destacou-se como um verdadeiro foto-jornalista, deixando um espólio valioso e considerável sobre a sua cidade do Porto, que muito amava.

As suas obras foto jornalísticas podem ser consultadas, nos seus espaços :

(*) clicar em cima dos link's
http://portojofotos.blogspot.com/

e ainda noutros espaços :

A homenagem iniciou-se com  discursos proferidos pelo Rui V Coelho e pelo  Presidente do Bando Teixeira JTeix, seguindo-se o descerramento de uma placa alusiva ao homenageado, pelo Carlos Silva e pelo Teixeira Jteix.
Após uns aperitivos servidos num dos alpendres do restaurante Choupal dos Melros, seguiu-se um almoço de convívio que serviu para fortificar a camaradagem dos Combatentes presentes, numa total harmonia entre Melros e o Bando.
Foi bonito e o Jorge Portojo, esteja ele onde estiver, de certeza deliciou-se com a homenagem prestada e sobretudo por ver tantos camaradas juntos, á sua volta.
Um abraço Jorge e até sempre!

Segue-se a reportagem fotográfica da homenagem :



Melros e Bandalhos iam-se agrupando.



Rui V. Coelho e Carlos Silva, analisavam o discurso, sob o olhar atento do Bandalho Mor, Zé Ferreira



O Presidente do Bando,atento, procedia à recepção dos Bandalhos.
Na foto o Súcio, chegado de Trás-os-Montes





O Guimarães e o Carvalho conversavam descontraidamente.







O Vasco no seu incomparável estilo não deixou de comparecer.




Rui V Coelho, Carlos Silva e Zé Ferreira na ultimação dos discursos.



Formavam-se grupos de camaradas.





Impressionante a chegada do Alberto e do Campos, dois Bandalhos  profundos.




A efusiva chegado dos compadres, vendo-se o Cancela a ser recebido pelo Tesoureiro General, pelo Alberto e pelo Guimarães.

O Campos com a esposa do Cancela.

Mais Bandalhos, o Francisco Silva e o Freire


O Guimarães, acompanhando a Luci, vinda propositadamente de Cascais para assistir à homenagem ao Portojo.


A placa antes da inauguração, coberta com a bandeira da Tabanca dos Melros.






Preparativos para a reportagem fotográfica da responsabilidade do Luís Bateira.







Momentos que antecederam a cerimónia,o Súcio, o Presidente e o Guimarães em amena cavaqueira.





O Rui V Coelho, um dos promotores da homenagem, iniciando a sua intervenção.








Discurso escutado pelos presentes, com toda a atenção.

A concentração dos presentes era enorme.

O Presidente do Bando, no uso da palavra.


Também atentamente escutado pelos presentes. 


Findo os discursos, o Carlos Silva, dos Melros e o Teixeira, presidente do Bando, preparam-se para o descerramento da placa ainda coberta pela bandeira da Tabanca dos Melros.




Momento alto da cerimónia. O descerramento da placa que a partir de agora homenageia o nosso camarada Secretário General do Bando, Jorge Portojo.

A placa a homenagear o Jorge Portojo.






A presença feminina foi uma constante a abrilhantar a cerimónia.

A placa ladeada pelos discursos.
A Luci fez questão de posar junto á placa.

O Zé Ferreira conversando com a Luci

Mesa dos aperitivos



Súcio e Luci a conversarem.


Aspecto parcial da mesa,vendo-se em primeiro plano os promotoras da homenagem ,o Rui V Coelho e o Luís Bateira.


Outro aspecto parcial da mesa.





Melros e Bandalhos em franca harmonia.



Até sempre Jorge Portojo. Obrigado por teres sido o Secretário General do Bando e nosso Camarada.




sábado, 13 de maio de 2017

P.209 - OPERAÇÃO CASA PINTO, DE 2017.05.10

Aos dez dias do mês de Maio do ano de dois mil e dezassete e a convocatória do Exmo.Senhor Presidente, o Bando do Café Progresso das Caldas à Guiné, foi convocado para a operação mensal, desta vez, designada com o nome de código "Casa Pinto"
O objectivo era considerado perigoso, pelo que foi realizado um prévio breefing, constante dos seguintes pontos :


1º Encontro no Jardim do Morro,em Vila Nova de Gaia pelas 12H00 ;
2º Progressão em fila pirilau até ao objectivo local ,pelas 14H00 ;
3º Ataque ao Bacalhau á Liberdade ;
4º Ataque feroz aos Rojões à moda da casa ;
5º Ataque ao alambique ;
6º Arrasar a sobremesa,lançando os necessários café e digestivos ;
7º Retirada estratégica.

A Operação Pinto, sob o comando do Presidente JTeixeira, coadjuvado pelo Tesoureiro-Mor Peixoto e pelo Bandalho Mor José Ferreira, constituiu um enorme êxito, tendo-se cumprido integralmente a missão constante do plano de ataque.

Seguem-se pois, as diversas fases, para memória futura, das dificuldades, empenho, coragem e bravura com que os Bandalhos, cumpriram as suas missões.




Os responsáveis pela picagem,atingiram o objectivo com segurança e mostravam-se descontraídos e sorridentes por não terem encontrado nenhuma mina.


O restante grupo de Bandalhos, procedeu ao reconhecimento das redondezas.





E, com toda a cautela, começaram a penetrar no objectivo.




Aos poucos foram ocupando os seus lugares...


O "pequeno-grande" Tavares, hesitou no objectivo, mas depressa o Bandalho Mor, Zé Ferreira , sob a atenta observação do Presidente, ensinou-lhe a forma de atacar. Ouviu-se a célebre canção do " Come a sopa, Tavares, come a sopa..."





Trocavam-se estratégias, fundamentais para o ataque final.


O Peixoto e o Fernando, trocavam impressões imprecisas, quanto aos meios a utilizar...



O Bandalho Mor José Ferreira, lançou mão de duas granadas, que certeiras, eliminaram o inimigo de uma só vez.




O Tavares registou os estragos produzidos, para futuro estudo estratégico.




O inimigo, vencido, reconheceu a derrota e entregou o resto do armamento.


De pronto destruído pelo Presidente JTeixeira...


Que, com a ajuda do Bandalho Mor, Zé Ferreira, o fez examinar por todos os Bandalhos.



Que voluntariamente se ofereceram para o desactivarem.


Concluída a operação sem qualquer baixa, os Bandalhos brindaram ao êxito da mesma e retiraram, com a prudência necessária aos seus aquartelamentos.



O saco azul da Presidência, transbordou de... notas...

Nota final: 
Não foi dada a forma habitual de acta.
Este relatório da operação, ficou incompleto, por natural incompetência do relator, pelo que se penitencia.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

P.208 - Homenagem ao Jorge Portojo no dia do Bando


Intróito...
Depois de várias tentativas para que alguém assumisse a responsabilidade da feitura das actas, ninguém o quis fazer, já que substituir o Portojo, não é fácil, dado o seu cariz e empenho com que ele o fazia, aliado à sua maneira muito própria, que era só dele. A responsabilidade é grande, no entanto alguém tem que continuar, quanto mais não seja em sua honra.
Está-se mesmo a ver, não aparecendo mais ninguém... Vou tentar não defraudar as expectativas da Bandalheira, mas fica em aberto o lugar. Não remunerado. Disse... jt

********************************************************************************


Coincidentemente ou não, "ele" o saberá, hoje foi a missa do 7º dia e também o "Dia do Bando", coincidências...
Então ficou combinado abdicarmos hoje de qualquer evento e reunirmos na "nossa" sede, o Café Progresso.



E assim foi...
Os Bandalhos começaram a chegar, até o Bateira, que é coisa rara...




...e muitos mais, cada vez mais!




O Zé Ferreira já tirava apontamentos...




...e pensava o que fazer com eles, ou escutava o seu advogado?





Chegou a hora de ir a caminho de Rio Tinto, para assistir à missa.
Ainda deu para gozarem com a maquineta do Presidente. Ainda eles não sabiam que ela lhe saiu num pacote da Farinha Amparo.




Né... Chico das enguias?... mas a gente sabe!...





Á hora certa, na Igreja para assistir ao serviço religioso, como seria de nossa obrigação, em honra dum camarada que nos merece toda a consideração.




Dando continuidade à Assembleia Geral, resolveu-se pôr os pés debaixo da mesa e discutir os problemas dos e desta Bandalheira.





O Ricardo Figueiredo disse umas palavras (vejam a atenção deles!!!) de conforto...





...o Zé Ferreira levantou-se...




...e todos fizemos um brinde à memória do Portojo.







Há quem só pense em tirar o máximo rendimento do combustível, a foto para memória futura... não interessa nada!...




- "O que é que se há-de fazer", diz ele?...





Depois de se "cumer e buber", há que fazer as contas, da responsabilidade do Secretário Tesoureiro!...
O saco azul é que só fez figura de... bandalho!...
Fim do dia... à noite!...

********************************************************************************
********************************************************************************
O Zé Ferreira quando estava a tirar os tais apontamentos, eram para um suplemento ou complemento à acta, "rascunho de apoio a uma acta", disse ele. Pela primeira vez alguém o fez.
Aqui vai ela na integra...
Merecia um post separado?... merecia... mas...

                                         ***
12 de Abril de 2017 – Memorável Dia do Bando!
Hoje, pelas 16 horas, sob a Presidência vitalícia do nosso Grande Líder, reuniu no na sua sede o Bando do Café Progresso. Presentes vários sócios fundadores e outros ilustres aderentes.

A sessão teve início com a manifestação de pesar pela ausência do Jorge Portojo, seguindo-se alguns comentários de incentivo à obrigatoriedade da continuidade do grupo.




Dali seguimos para a Igreja de Rio Tinto, onde se juntaram dezenas de ex-combatentes amigos, para a celebração da missa de 7º Dia, do nosso Secretário General.
No final, resolveu-se dar continuidade à Assembleia Geral no Restaurante “Cozinha do Cruzeiro”.





Perante os saudosos brindes, em honra do nosso Secretário General, o Ricardo Figueiredo teve uma intervenção moralizadora, no sentido de ultrapassarmos o actual momento de tristeza e avançarmos para a agradável normalidade que nos tem norteado.




Nesta assembleia foram apresentadas algumas propostas que, sem grande debate, tiveram as seguintes decisões:
- Votos de louvor aos Bandalhos Manuel Guimarães e Ricardo Figueiredo, pelo inexcedível apoio ao nosso camarada Jorge Portojo, nesta fase terminal;    
- Manifestar a nossa simpatia e gratidão ao Bandalho Gil, pela solidariedade demonstrada no encerramento pontual da Tabanca dos Melros;
- Manter a segunda Quarta-feira de cada mês como dia de convívio do Bando;
- Não aprovar a proposta de cotização dos Bandalhos para uma excursão de finalistas de (Per)curso, a ter lugar no sul de Espanha.

Perante o anúncio no quadro negro, ficámos convencidos de que iriamos comer bem e barato.




Posta Mirandesa e Vitela à colher foram os pratos fortes que foram servidos depois de boas entradas variadas e antes de fartas sobremesas e livres digestivos.
Zé Ferreira.

********************************************************************************

E foi assim...
Espero ter cumprido minimamente com os objectivos na elaboração desta acta, ou será ata, como ele sempre dizia?!...
Abraços caros Bandalhos.

Ps: O Bateira apareceu no Café Progresso para anunciar que mandou rezar uma missa pela alma do Jorge Portojo, na próxima quarta-feira pelas 19:00 H, na Igreja de Cedofeita. Se puderem apareçam...