quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

P.158 - Reunião Geral Ordinária no Ataque ao Leitão das Devesas

Preparada com a antecedência que os estatutos obrigam, a primeira parte da reunião mensal das segundas quartas feiras de cada mês levou-nos desta vez até às Devesas no dia 11.2.2015.
Duas concentrações tinham sido programadas para as Estações de S. Bento e Devesas, onde o corpo expedicionário se viria a reunir.
Horários rigorosamente controlados, mas com tempo suficiente para um olhar pelos azulejos de S. Bento, onde o Prof. Joel Cleto gravava mais uma emissão da História para o Porto Canal.
As tropas foram chegando, aproveitando-se para desenferrujar as armas.
Chegada à hora preparou-se o embarque.
Últimas imagens antes do embarque
O pessoal embarcado. Não seria melhor escrever comboiado ? Para o caso não interessa nada.
Chegada às Devesas onde o segundo grupo já estava concentrado.
A reunião dos grupos
Horário perfeitamente controlado
Saída da Estação e foi só atravessar a Rua para entrar na sede provisória.
O pessoal concentra-se para a primeira reunião do dia.
As azeitonas, as loirinhas, o tinto, o branco e a água do Súcio já estavam à disposição.
Um ex-camarada encontrava-se na sala e foi cumprimentar o amigo Cibrão
O Leitão, motivo principal da primeira reunião, entrou em cena.
 O Presidente abusou da decoração e do material.. Mas We Love You, President
No meio de tão animada reunião, o Cancela fez um declaração de protesto que ficou registada em Acta. (Ou será Ata ?).
Para o caso não interessa nada e o que interessa é que o Presidente declarou e muito bem declarado que a próxima reunião e cumprindo a tradição, será no Vigário da Aboínha e tem como tema O Ataque ao Sável do Douro.
Sairá em momento oportuno o comunicado Presidencial.
Quanto aos Privilégios do Presidente terem de acabar, isso ós pois bê-se.
Hora de rumar à Sede no Café Progresso, mas havia ainda muito que organizar
O General -Mor-Adjunto Jorge Peixoto, elevado à categoria de Tesoureiro Presidencial, não acta nem desata com as contas.
A recordação dos Compadres de Penafiel, Cancela e Peixoto.
A linda moreninha (Carolina, Catarina, Cristina, Cassilda ? - esqueci o nome) deixou-se fotografar excepcionalmente só com alguns felizardos. Ficou muito zangada com o Secretário General (eu mesmo claro), por só querer e pedir loirinhas. Não é assunto para a Acta (Ata ?).
O General-Mor Peixoto continuou longo tempo a contas com a conta
 Foram precisas ajudas até que tudo se resolvesse.
Quem 150 divide por 15 dá 11 a cada presente
 Enquanto se processavam as despedidas, o General -Mor-Tesoureiro apanhava as migalhas que o Zé Ferreira Catió deixou cair.
Finalmente o Presidente conseguiu arrumar as contas.
Fora da acta, um agradecimento especial ao Campos pela bomba entregue ao Secretário General. Esta não tem rolhas de cortiça a desfazer-se como a que brindou ao dito, provávelmente com a intenção negra de o intoxicar para topar um lugar de grande lucros e muitas responsabilidades.
Finalmente o recolher...
... não sem antes se fazerem as recordações da praxe.



Um fugitivo a tomar ares puros. Houve maldosos que desejaram que houvessem por ali Gaivotas, mas Pombos já serviam ou no mínimo uns pardalitos...
Depois das despedidas, o Grupo do Norte retorna.

Um poste é bem vindo em determinadas circunstâncias.
De regresso no Super Regional de Ovar, enquanto alguns ensaiam a dança do varão...
...outros apreciam a paisagem.
Em Campanhã lá vai o Campos, em S. Bento foi o Cancela e o Peixoto Joaquim. E o Súcio.
O Bando precipitou-se para a sede para acabar a Acta (ou será Ata ? nunca mais corrigem o Secretário). Para acabar também com a sede do mesmo, enquanto o restante maralhal se aquecia com o famoso Café de Saco do Progresso.
O Admor chegou cedo à Sede mas não a tempo de marcar as mesas habituais. Por isso estava muito tristinho. E o Presidente ficou super zangado porque lhe faz falta a cabeceira.
Prontos. É o final. Registe-se os Presentes que um dia irão assinar a ata (Acta): Jorge Teixeira, Jorge Peixoto, Jorge Teixeira, Quintino Monteiro, Manuel Cibrão, José Freire, António Tavares, Adriano Moreira, José Ferreira Catió, Francisco Silva Afurada, João Encarnação, José Cancela, Joaquim Peixoto, Fernando Súcio, Eduardo Campos, Alberto Soares.
E já sabem, sábado Há Melros no Choupal.

10 comentários:

  1. É sempre muito agradável ver, e rever, os amigos e camaradas........Já estou pronto para o sável......

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Calma Cancela que ainda é preciso ir "caça-los".
      jt

      Eliminar
  2. Tanto "gozaram", tanto gozaram, que um dia tínhamos que ir ao "Cozido das Devesas", só que o cozido à quarta-feira é... leitão, mas parece que a coisa não correu assim tão mal, pelo menos a reportagem do Secretário General não o deixa transparecer e até é toda cheia de "loves yous".
    Um abraço
    cumprim/jteix

    ResponderEliminar
  3. Como sempre um bela reportagem, descrevendo o que se passou com o bando, quase nem precisava de legendas, parabéns, Jorge. Um abraço para todo o bando e até ao sável.........

    ResponderEliminar
  4. Pelos vistos o Presidente do bandalho está em alta.
    E parece ser muito querido pelo bando.
    Mas também com uma turminha disciplinada como esta
    qualquer um consegue comandar, não é mesmo?
    E pelo visto a ordem da casa continua sendo:
    ALEGRIA! ALEGRIA!

    MEIRE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido pelo Bando?
      Amado e odiado por todos, sim!...
      Invejosos e indisciplinados, sempre à espreita de tomarem conta do tacho!...
      mas haja alegria.
      jt

      Eliminar
  5. Mais um excelente registo do nosso artista Jorge Portojo. Para mim, ele é o mais esforçado e o mais capaz de todo Bando. Para além desta faceta de artista, ele acumula várias funções na difícil gestão do grupo.Digo mais, é uma asneira subscrever a Petição que circula entre os associados, que visa a substituição do Presidente Vitalício pelo Secretário General, É que nos nossos estatutos, o Presidente não pode fazer um c, digo, mexer uma palha. Seria a paralisação quase total.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora até que enfim que há alguém que compreende o sacrifício do presidente, só não concordo com,"não fazer um c ", vamos lá ver, "mexer uma palha", dá um trabalho do c..
      jt.

      Eliminar
  6. Ao fim e ao cabo são as prerrogativas de presidente. Só não percebo porquê, nem para quê.
    Quanto à reportagem foi feita por um artista portuense com a qualidade de sempre.

    ResponderEliminar