quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

P.152 - Entre o Carmo e as Carmelitas

Era ou deveria ter sido, uma Assembleia Geral na nossa velha sede, muito importante, com variadíssimos pontos para debate. Mas o mais importante ainda é que deveria ter sido logo discutido onde seria o jantar - como sempre foi resolvido quase à bofetada. E deixado para o fim.
P'ro caso não interessa nada e entrou-se na ordem dos trabalhos propriamente dito só com os presentes. Os ausentes que se fizeram presentes foi só ós despois, perdidos que andaram. E aguentaram e mai'nada.
Começou-se por ordem de tamanho: 1. O Pião das Nicas que o Manuel Lopes e Lopes, mais conhecido por Kambuta dos Dembos, ofertou ao Bando. Ficamos maravilhamos por funcionar. Há um vídeo lá para o fim a confirmar.
Um abraço ao Manel e os nossos agradecimentos.
Entretanto chegou o Zé e fomos à segunda ordem.
Pois a segunda da ordem é - foi - nada mais nada menos que uma Bagaceira Borba de 1955.
Uma oferta para o Bando de um amigo especial, o Mário Valente Lopes. Uns mânfios queriam apoderar-se logo dela, mas colocou-se-lhes um tequerisse.
O terceiro ponto era o almoço do Bando conjunto ao dos Melros. Tudo resolvido, as marcações já feitas para o Gil. E quem quiser vai quem não quiser vê as fotos depois e pronto.
Até amanhã é o limite das reservas.
Ficou feito o aviso que sábado dia 13 vai ser um dia de temporal. Mas o Choupal tem muitas lareiras...
Muitas doenças foram apresentadas durante a ordem de trabalhos para aprovação da mais difícil. (Estes gajos estão mesmo xexés, não sabem falar de outra coisa mesmo tendo tantos motivos de interesse à nossa volta). Aqui o Secretário General não conseguiu sequer ver votada a sua, pois o Secretário-General -Mor -Peixoto arrumou para o fundo da prateleira com um peremptório Car.....o, Não te Faças Importante.
Por com seguinte (ou será por conseguinte ?) - hoje como li coprodução num jornal diário que tive o cuidado de expedir antes de sair para a Bandalheira e por isso já nada me admira- seguimos para o Restaurante escolhido de olhos fechados.
Diga-se de passagem que fomos muito bem alimentados e bebidos também.
Enquanto passava um filme pornô na Tv, os seis resistentes às intempéries geladas do Mar do Norte amesentaram-se e vai daí, prepararam-se para dar ao dente.
Contrariamente ao que nos é aconselhado medicamente, (advérbios de modo é cá com o escrivão; assim como os diminuitivos) entramos por queijinhos marados, azeitonas ácidas e salsichas frescas grelhadas. O pão estava saboroso, bem como um arroz de feijão vermelho malandrinho e pernas de polvo frito que se desfizeram na boca.
Seguiram-se uns bifes na pedra, tenros e de paladar próprio para quem sofre de imensas doenças.
Apostamos depois nuns bolos mais que doces, divididos irmãmente (outra palavra que não sei se ainda vem no dicionário - ou será diccionário ? )  e especialmente para o nosso querido Presidente, devidamente acompanhados por um cálice de Vinho do Porto.
A restante rapaziada com o cafézinho da ordem, foi-se abotoando à Bagaceira Borba, uma oferta bem apreciada.
Juntamente com a Piasca ofertada pelo Kambuta, a garrafinha via o seu líquido baixar.
Depois chegou a dolorosa que pôs a cabeça do Presidente a ver Douro por todos os lados.
 Um ri-se outro fica sério. Vamos lá entendê-los.
Cada qual no seu melhor e o Presidente nem ata nem desacta. Só porque está uma garrafinha escura na mesa, ninguém acredite que foi a única. Mas também não se regista na Acta quantas foram...
 E o querido Presidente dali não sai dali ninguém o tira. E o Campos todo estragado cheio de tosse...
Antes de cada um ir para o seu lado, uma pose junto do cartaz-mamarracho entre o edifício da Reitoria da Universidade e as Igrejas do Carmo e da Trindade.
Perdão, das Carmelitas. A confusão é para ver se o mamarracho cai de uma vez e deixa aquele espaço livre.
video

Espero que o vídeo da piasca passe, só para a verem a trabalhar.

10 comentários:

  1. Se encontrarem erros, a culpa foi do sono.

    ResponderEliminar
  2. Oi Jorge! Muito bom o seu trabalho! bjs

    ResponderEliminar
  3. Como é qu´é possível trocarem o pitinho da Churasqueira das Antas pelo Calhambeque, mesmo sendo do rei Robertinho.

    ResponderEliminar
  4. Mais uma Assembleia à maneira "abandalhada".
    Prevista para o improvisado Groumet da Avenida, acabou for se desenrolar no Progresso e arredores;
    Metade dos participantes não ficaram para as votações finais;
    Uns foram ver o FCP, outros estavam condicionados pela dieta e outros tinham horas marcadas para entrar no quartel.
    Porém, aquele núcleo duro do costume não falha.. Faltaram alguns porque, segundo fugas de informação (agora muito em moda), já estão a caminho do Choupal dos Melros, para festejarem o Natal a 13 de Dezembro.
    De realçar, na parte final dos trabalhos, o aceso debate centrado num assunto fora da agenda e que, quanto a mim, não tem hipóteses de o resolvermos. Isto de julgar criminosos e inocentes está cada vez mais difícil.
    Mais vale falar do Futibol (também proibido pelos estatutos) uma vez que temos sempre a alegria proporcionada pelo nosso FCP.
    Uma palavrinha de admiração ao nosso Presidente que fez serão a contar as moedas (é a crise) para pagar o jantar.
    Bem, fiquemos por aqui porque Sábado temos muito tempo para "partir mantenha".
    Um abraço também para os Bandalhos ausentes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Zé o debate centrado no tal assunto...ainda bem que não tinha moderador, porque assim ficou só entre nós, enquanto os outros bandalhos viam o FCP na tv, nós tratávamos de perceber que m..... de país é este.Um abraço.

      Eliminar
  5. Como sempre os bandalhos, portaram-se muito bem, até no repasto e no maduro tinto.Um abraço.

    ResponderEliminar
  6. Do que eu mais gostei foi ver a piasca do Manel Lopes a cair pró lado com a pomada do Valente Lopes.
    Ah valentes, aquilo é só Lopes, Valente Manel Lopes & Kambuta, Lda.
    Um abraço
    cumprim/jteix

    ResponderEliminar
  7. O "Rapa, Põe, Tira, Deixa" é bonito, original e vi que roda bem. Não sei se "rapou" algum dos bandalhos. Sei que a bagaceira Borba de 1955 chegou bem à sede do Bando. Tem aspecto de ser de beber e chorar por mais. E o Presidente coleciona notas? Só o vejo com dinheiro. Abraço.

    ResponderEliminar
  8. Ao
    Bando do Café Progresso

    - Porque se aproxima a quadra natalícia, momento especial que nos leva ao recolhimento e às recordações do passado, quer seja dos nossos familiares, dos nossos amigos de escola e da rua onde residíamos, das pretensas namoradas, dos camaradas de armas e colegas da empresa onde honestamente auferimos os nossos magros salários.
    - Pois é… também eu fui tocado por esse sentimentalismo intrínseco ao ser humano.
    - E é pelas razões acima referidas que hoje (forçosamente através do Blog), estou a desejar ao Bando um óptimo almoço de confraternização em celebração do Natal, no próximo dia 13, bem assim como, a todos os seus elementos, individualmente, desejar um Bom e Santo Natal de 2014, nos quais faço incluír (como é óbvio) o (s) Jorge (s) Teixeira (s) PRESIDENTE e respectivo SECRETÁRIO GENERAL.
    - E é também pelas mesmas razões que faço incluir nesta mensagem um poema, que pessoalmente me diz imenso. Aliás, penso que dirá muito a todos aqueles que viram, na plenitude da sua juventuda, os seus sonhos e as suas vidas interrompidas.

    “ O SONHO INACABADO ”

    SE A VIDA SE GANHA A PULSO
    COM TRABALHO E SENTIMENTO
    PORQUE RAIO CADA IMPULSO
    HÁ-DE SER UM FINGIMENTO

    NÃO ME AGRADA A SINFONIA
    DESTAS VOZES TRAIÇOEIRAS
    NEM ME APRAZ ESTA HARMONIA
    QUE SE ESCONDE EM RATOEIRAS

    AMANHÃ ESTAMOS SÓS
    SEM NINGUÉM PARA LUTAR
    VAI-SE O GOSTO, VAI-SE A VOZ
    NADA HÁ PARA RECORDAR

    DA VERDADE SÓ ME RESTA
    O ESPANTO INDESEJADO
    NADA IMPORTA, NADA PRESTA
    FICA O SONHO INACABADO

    Poema de JOSÉ LOPES


    Com um abraço para o Bando

    Mateus de Sousa

    2014.12.11

    Post-Scriptum: Só para perguntar ao amigo Jorge Teixeira, o Presidente, se lhe entregaram, no dia de ontem, a encomenda que se encontrava depositada no Café Progresso.

    ResponderEliminar
  9. Não, caro camarada Mateus de Sousa.
    Mas foi entregue uma encomenda que se destinava ao Jorge Teixeira Portojo o tal Secretário General. Referes-te a esta?
    A encomenda não era tua, certo? Como é que soubeste, passaste por lá e não disseste nada?
    Manda uma foto tua actual para a gente saber quem tu és, ou andas disfarçado?
    Um abraço
    cumprim/jteix

    ResponderEliminar